Navbar
18 de agosto, 2017 | Autor(a): Lucas Rocha

Questão criativa

Gustavo Xavier

Seja para renovar as energias, adaptar a um novo momento da vida ou por qualquer outro motivo que seja, a ideia de reformar a casa mexe com o imaginário de muitas pessoas que querem nada menos que viver com conforto em um ambiente aconchegante, e, que, por vezes, realizam sonhos antigos. O que acaba minando essas vontades grande parte das vezes pode ser definido unicamente por um motivo: os gastos exorbitantes.

Foi pensando ir na contramão desta premissa que toda obra e/ou reforma estaria vinculada a grandes orçamentos que a mostra Morar mais por menos foi criada em 2004, por Ligia, Sabrina e Sandro Schubak. Espalhado por várias cidades, em Belo Horizonte, o evento chega à sua 11ª edição entre os dias 23 de agosto a 1 de outubro, mais uma vez, sob a batuta de Josette Davis que antes mesmo da inauguração já comemora as grandes conquistas da organização, mesmo com a situação nacional desestimulante. “Olha, já é uma edição histórica. Para se ter ideia é o maior espaço que já tivemos, onde dentro dele não existe nenhum ambiente pequeno. Confesso, que no início me deu medo com todo mundo falando de crise e eu fazendo esse evento enorme, mas tem dado tudo tão certo que com a intensa procura de profissionais querendo participar, eu precisei abrir mão de salas de depósitos para abrir novos espaços”, explica.

E não é para menos. Para a edição de 2017, a Morar Mais desembarca na prestigiada avenida Bandeirantes, mais precisamente, no número  800, local da antiga escola Balão Mágico. O local conhecido pela sua tradição e importância histórica, está fechado há dois anos e irá abrigar os 54 ambientes, envolvendo mais de 100 profissionais. “Encontrar o local perfeito é sempre uma novela, principalmente em BH que estamos com escassez de imóveis grandes com ambientes amplos, mas uma vez que encontramos todo o resto flui de forma mais tranquila. Estar na antiga sede do Balão Mágico tem sido um privilégio pela história por trás quando ainda na época da ditadura o lugar trazia disciplinas que abriam a mente dos alunos. Saber dessa importância histórica nos incentivou ainda mais, e, inclusive, fizemos uma homenagem logo na fachada”, revela Josette.

Além disso, a rotina movimentada da região com diversos estabelecimentos e a infraestrutura deve atrair um número expressivo de público. “Quando eu comecei a produzir o evento, em 2007, eu sabia que o mineiro iria gostar, porque é da nossa característica o high-low. É da nossa natureza não gostar de ostentar na maior parte dos casos e privilegiar funcionalidade, qualidade e coisas que fogem do previsível, inclusive em relação aos fornecedores”, comenta Davis.

Sem ter um tema ou conceito geral, a Morar Mais é baseada em três pilares: a transparência; sempre apresentando nos ambientes os valores, origens e nome dos fornecedores, a sustentabilidade; visando o desenvolvimento da construção sustentável, conscientizando a sociedade e divulgando práticas ecologicamente corretas, e a inclusão social; seja no incentivo aos profissionais estarem em contato com ONGs ou do próprio evento, que nesta edição trouxe para o restaurante assinado pelo bufê Made by Debbie, um staff composto por pessoas portadoras da Síndrome de Down.

Quem comemora a oportunidade de participar de um evento desta magnitude e de extrema importância para o setor é Fernando Peres e Rafael Tassinari, nomes por trás do escritório Rafe Arquitetura e Design e participantes do evento pela primeira vez. “Nosso maior interesse tem sido de fato esse incentivo à ideia do morar mais por menos com essa pegada da sustentabilidade. A mostra instiga e inspira que os profissionais corram atrás para colocar em prática ideias que nunca tinham pensado antes. É pensar que com pouco é possível fazer muito, encontrar formas de reaproveitar os materiais, pensar em inovações e até mesmo inspirar o cliente que ele também é capaz de tirar as ideias dele do papel. Isso sem falar na valorização da brasilidade, da nossa cultura”, afirma Rafael.

 Foto: Juliana Flister / Agencia i7

E já diria o ditado de “quem prova, repete a dose” para explicar o retorno de Daniela Dumont ao evento pela segunda vez consecutiva. “Participar no ano passado foi muito interessante e me trouxe um grande retorno pela troca de experiência com as parcerias, os profissionais, os fornecedores e até os clientes que interagem com a gente de uma forma diferente e mais próxima. É uma troca de aprendizados constantes”, conta ela que nesta edição irá assinar um projeto em parceria com Graça terra, Ana Beatriz Moreno e Simone Motta, privilegiando a sustentabilidade na criação de um mezanino para um hotel boutique, onde a individualidade e charme imperam ao utilizar na maior parte do ambiente o que já existia no espaço e trabalhando com muitas sobras de materiais de outras construções.

Comentários

Publicidade

LATERAL HOME 1 - Blog do PCO

Mais recentes

Publicidade

Your Ad Here

Publicidade

LATERAL HOME 3 - Viver Brasil