Navbar
Tudo BH
7 de julho, 2016 | Autor(a): Bruna Braga

Peru: muito além de Machu Picchu

Machu Picchu, uma das sete maravilhas do mundo moderno. (Fotos: Bruna Braga)

Machu Picchu, considerado uma das sete maravilhas do mundo moderno (Fotos: Bruna Braga)

Sobre nosso país vizinho, o Peru, você certamente já ouviu falar de Machu Picchu, também conhecida como a “Cidade Perdida dos Incas”. Esse nome se justifica porque o santuário histórico ficou escondido por séculos até ser redescoberto em 1911 pelo explorador norte-americano Hiram Bingham. O local foi eleito em 2007 como uma das sete maravilhas do mundo moderno e os visitantes podem contemplar vários complexos arqueológicos e construções, tudo envolto por uma paisagem, no mínimo, fascinante. A genialidade do povo Inca que um dia viveu ali é impressionante e a companhia de um guia durante o passeio é importante para a compreensão do significado de cada aspecto dessa volta ao passado.

Porém, você está enganado se pensa que o Peru deva ser visitado apenas por Machu Picchu. O país possui uma vasta riqueza natural, cultural, gastronômica, sem falar no povo peruano, extremamente simpático e receptivo. Tudo BH esteve por lá e conta para você como foi essa experiência.

A Plaza de Armas é palco de festivais de dança e manifestações culturais.

A Plaza de Armas é palco de festivais de dança e manifestações culturais

Cusco, ou Qosco, que na linguagem indígena quéchua significa “umbigo do mundo”, era o principal centro administrativo do Império Inca. A identidade histórica da cidade é bastante preservada por meio das suas construções, igrejas e festivais culturais, que geralmente acontecem na Plaza de Armas, a principal da cidade. O local é rodeado por lojas, restaurantes e cafés charmosos, e à noite se transforma em um reduto de boemia com suas baladas animadas, sendo as mais conhecidas a Mama Africa e a Mythology.

Para aqueles que não dispensam umas comprinhas durante o passeio, o Mercado Central de San Pedro e o centro de artesanato são ótimas oportunidades. No mercado, além de artesanato e roupas, é possível comprar comidas e bebidas típicas. Lembrando que é sempre bom pechinchar com os vendedores no Peru antes de comprar, eles costumam ser bem flexíveis. Isso vale também para as corridas de táxi porque no país não existe taxímetro.

Montanha de Oyllantaytambo, no Vale Sagrado dos Incas

Montanha de Oyllantaytambo, no Vale Sagrado dos Incas

Cusco fica a 3400 metros de altitude, portanto, mascar folha de coca ou tomar chá de coca ajuda a amenizar os efeitos do soroche, também conhecido como mal de altitude. De abril a outubro há menos risco de chuvas, mas casacos são indispensáveis, principalmente à noite quando esfria bastante.

A cerca de 40 quilômetros de Cusco, está o Vale Sagrado dos Incas, onde estão localizados vários povoados. A região é chamada assim por causa de seus campos férteis de cultivo, rodeados por várias montanhas e rios. O ideal é ir de van ou carro para fazer paradas ao longo do trajeto. Opções de passeios são inúmeras, mas não se deve deixar de dar uma parada no pequeno povoado de Oyllantaytambo, que possui um sítio arqueológico Inca, situado entre duas colinas e uma vista privilegiada para o Vale Sagrado.

Salinas de Maras: a água salgada sai de dentro da montanha

Salinas de Maras: a água salgada sai de dentro da montanha

Outra parada indispensável é o Museu Inkariy, em Urubamba. O local foi inaugurado com o objetivo de mostrar que o Peru é um país de várias culturas e povos, não apenas os incas, que são os mais conhecidos e os últimos do calendário histórico antes da chegada dos espanhóis. Há várias salas que mostram rituais dos povos pré-colombianos, como os caral, paracas e nasca, com réplicas em tamanho real.

Ainda no Vale Sagrado, um ótimo passeio é conhecer as salinas de Maras, depósitos naturais formados por 3 mil pequenas piscinas. Um fato curioso é que a água salgada, que dá origem às salinas, não vem diretamente do mar: ela sai de dentro da montanha. A explicação para o isso é que, há milhares de anos, antes de se formar a cordilheira, o local já foi coberto pelo mar. A poucos quilômetros de Maras, está Moray, sítio arqueológico famoso por seus terraços circulares que tinham a utilidade de recriar diferentes microclimas e, assim, assegurar o sucesso da produção agrícola.

Moray: terraços circulares que recriavam microclimas para sucesso agrícola

Moray: terraços circulares que recriavam microclimas para sucesso agrícola

Para se chegar a Machu Picchu, você tem que ir primeiro a Aguas Calientes ou Machu Picchu Pueblo (nomenclatura mais nova), que é o povoado mais próximo. Existem duas opções: ir de trem partindo de Cusco, trajeto que dura cerca de três horas e meia, ou então ir de Cusco até o povoado de Oyllantaytambo (que mencionamos acima e vale a pena conhecer), e sair da estação de lá. Fizemos a segunda opção e o percurso leva 1h45, com uma vista sensacional. O ideal é pernoitar em Aguas Calientes e sair para o passeio de manhã cedinho. Machu Picchu fica no topo da montanha e, de ônibus, o percurso leva cerca de 25 minutos. O número de visitantes é limitado por dia e o ingresso tem de ser comprado com uma certa antecedência para evitar transtornos.

Lima, capital do Peru, também não deve ser descartada do roteiro e merece a estadia, seja no no início ou no fim da viagem. A cidade fica no litoral e o turista pode transitar entre sítios arqueológicos, igrejas, museus, mas ao mesmo tempo desfrutar da infraestrutura que as grandes cidades oferecem. O bairro de Miraflores é o mais badalado e concentra grande parte dos hotéis. É nele que está o Central, eleito o 4º melhor restaurante do mundo pelo guia The World’s 50 Best Restaurants. Aliás, a culinária peruana está entre as melhores, o que torna o país com relevante potencial de turismo gastronômico.

Pular de parapente na costa de Miraflores é uma das atrações de Lima (Foto: Divulgação)

Pular de parapente na costa de Miraflores é uma das atrações de Lima (Foto: Divulgação)

Para aqueles que gostam de aventuras, no Parque Antonio Raimondi, é possível saltar de parapente contemplando a incrível vista do Oceano Pacífico; para os amantes dos jogos, há vários cassinos espalhados pela cidade como o Atlantic City; para os apaixonados por história, um dos sítios arqueológicos mais famosos de Lima, a Huaca Pucllana, impressiona por seu tamanho e por estar no meio da cidade. A construção piramidal resistiu à expansão do território urbano e possui um museu aberto à visitação. Outro lugar que vale a pena ir, é o Museu Larco, instalado em uma imponente mansão do século XVIII, que possui acervo de 45 mil peças confeccionadas pelos povos pré-colombianos.

Também não deixe de visitar o Centro Histórico de Lima, onde estão as principais edificações e igrejas do período colonial. O local foi declarado Patrimônio Histórico da Humanidade pela Unesco em 1998.

Confira abaixo um pequeno guia gastronômico e prove as delícias da culinária peruana.

Em Lima

Central

O menu é original e celebra a biodiversidade peruana. O chef e proprietário Virgilio Martinez, ávido por conhecimento, viaja constantemente em busca de novos ingredientes ainda não documentados que possam enriquecer a culinária local.

Museo Larco Café/Restaurante

Maravilhosa oportunidade de conhecer melhor a história peruana e ainda desfrutar do restaurante requintado instalado dentro da propriedade. A carta é variada e busca representar todas as regiões do Peru, assim como o faz o museu.

Em Cusco

Map Café

O restaurante fica no pátio do Museu de Arte Pré-Colombiana, rodeado por uma estrutura de vidro que contrasta com a edificação antiga onde está instalado. O menu propõe uma reinvenção de pratos tradicionais da cultura peruana.

Em Ollantaytambo

El Albergue

Localizado na estação de trem de Ollantaytambo, não se engane pela fachada rústica. O menu do restaurante El Albergue surpreende pela diversidade e a mistura de sabores peruanos e europeus.

Em Moray

El Parador de Moray

Vale a pena visitar e aproveitar para almoçar no restaurante, instalado em uma antiga fazenda republicana. No cardápio, vários pratos típicos da região do Vale Sagrado.

 

Passeios

Viajes Pacífico

www.viajespacifico.com.pe

 

Linhas de trem para Machu Picchu

Inca Rail

www.incarail.com

Peru Rail

www.perurail.com

 

Outros lugares para visitar

Lago Titicaca

Arequipa

Trujillo

Paracas

Nasca

 

*A jornalista viajou a convite da TAM Linhas Aéreas em parceria com a Comissão de Promoção do Peru para a Exportação e o Turismo (PromPerú).

Comentários