5 de maio, 2017 | Autor(a): Maristela Bretas

Parceria pela saúde

Danielle Xavier

Faculdades de medicina e ambulatórios passam a contar com mais um aliado na prevenção contra o câncer de mama. Serão 45 instituições contempladas com as próteses do Mamamiga em todo o Estado e não 45 prósteses distribuídas entres  seis instituições.

A proposta é resultado da parceria de sucesso entre a Caixa de Assistência dos Advogados de Minas Gerais (CAA/MG), Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais (CRM-MG) e Associação de Prevenção do Câncer na Mulher (Asprecam).
A união das três entidades pela saúde começou em 2016, durante a campanha do Outubro Rosa, com o objetivo de lembrar às mulheres da importância de cuidarem de seu corpo. O vice-presidente da CAA-MG, Wagner Parrot, que representou a entidade durante a entrega dos modelos da Mamamiga, falou sobre as campanhas periódicas e permanentes de prevenção contra doenças que a entidade desenvolve, como a de hipertensão, a de combate à AIDS e as que acontecem no final do ano – Outubro Rosa e Novembro Azul.
“A Mamamiga se tornou permanente diante da importância e do relevo da campanha. Essas mamas foram distribuídas para todas as subseções (mais de 200). No dia a dia percebi que este material na mão de profissionais da área de medicina, teria muito mais efeito, mais eficácia e abrangência”, explicou Wagner Parrot. Na próxima semana, o vice-presidente da entidade irá levar o projeto ao Conselho Federal da OAB para tentar sensibilizar a direção nacional a abraçar a causa.
Wagner Parrot também divulgou outro bom projeto da CAA-MG na área de saúde – o da microcefalia. Já foram gravados vários vídeos, disponíveis no site da entidade (https://www.caamg.org.br/), mostrando pequenas ações do dia a dia para amenizar o sofrimento das crianças que têm a doença e de seus familiares.
Para o vice-presidente do CRM-MG, José Luiz Fonseca Brandão, a parceria vai aproximar o Conselho das faculdades de medicina de Minas Gerais. “Os modelos distribuídos serão utilizados em disciplinas de semiologia e ginecologia, de maneira a contribuir para um melhor conhecimento e formação dos alunos para exercer a atividade médica e possa caminhar na prevenção do câncer de mama”, afirmou.
Seis cursos de medicina foram beneficiados com os modelo: Universidade Federal de Ouro Preto, UNI-BH, Faminas, Unifenas-BH, PUC-Minas/Betim e Faculdade de Saúde e Ecologia Humana. Marília Zicker Hanan, coordenadora do Núcleo de Ginecologia e Obstetrícia do UNI-BH explicou que o modelo doado será usado no laboratório de habilidades para treinamento dos alunos, que posteriormente irão trabalhar nos ambulatórios externos.
Mônica Versiani, da Ufop, e Alessandra Clarizia, da Faminas, também confirmaram que em os cursos de Medicina dessas faculdades já empregam projetos de prevenção de câncer da mama. Na Ufop, há um laboratório de práticas de habilidades, onde os alunos já são treinados para diagnóstico precoce e o projeto Mamamiga será mais um recurso. Também na Faminas já existem alguns modelos, uma vez que a instituição é voltada para o treinamento em simulação realística e o exemplar doado segue esse padrão.
Para o pediatra e conselheiro do CRM-MG, José Nalon Queiroz, um dos incentivadores do projeto Mamamiga, é preciso que todos os médicos tenham uma visão de todos os momentos da assistência médica para desenvolver um trabalho de qualidade – educação para a saúde, a prevenção das doenças, o diagnóstico precoce, o tratamentos e a reabilitação. “Esta parceria, que é um trabalho de prevenção, vai permitir que estudantes e pacientes que frequentam os ambulatórios das faculdades de medicina possam conhecer melhor o seu corpo e detectar alterações”.

A parceria entre a CAA/MG e ASPRECAM  culminou na compra das próteses por parte da CAA que,  juntamente com a CRM/MG  vislumbraram a entrega das prósteses para as 45 instituições em 2016.

Comentários