Navbar
25 de abril, 2016 | Autor(a): Graziella Gianinni

O céu brilha para todos o tempo todo

papers.co-mf15-sky-bright-shiny-afternoon-nature-22-wallpaper

A gente olha para o céu e sente esperança. Ela irradia pela nossa espinha e quando buscamos respostas, traz junto aquele suspiro acalantador. O céu traz conforto. Aquela sensação de que a gente vai chegar onde precisa e, junto disso, consegue ver com clareza o mapa da mina para o trajeto mais leve a fim de solucionar aquele problemão.

O céu nos traz harmonia. Ele nos mostra, ou melhor, joga na cara, que o sol sempre nasce depois da noite escura e cheia de desconhecidos. O céu acalma nossa pele do frio, aquece nosso coração da secura da vida e nos traz a sensação de conforto. O céu é pai e mãe.

A gente busca o que procura e onde procura. A gente percebe o que precisa ser percebido e, mesmo que seja pouco ou muito, a gente aceita. A gente abre os braços, respira fundo e encara. O céu é gratificante. Mas não me venha reclamar que o céu brilha demais ou que a noite está escura além do normal. Eu repito: a gente encontra o que busca e o sol só nos dá o que a gente pede.

Para isso, escolha bem as palavras ao pedir o seu céu. Avalie bem cada coisinha que quer e se realmente precisa delas. O céu responde. Ah, responde!
Pode demorar um dia, um mês, um ano, uma década, duas… Mas, confie em mim, ele responde.

E tome cuidado, se pensar demais o céu atende também. Ele gosta de satisfazer as pessoas. Deixá-las boquiabertas, embasbacadas com a surpresa ao receber o presente. O céu surpreende.

Ele adora perceber que você nem se lembrava das minúcias que pediu. De detalhes tão ínfimos que sequer teria pensado nisso por mais de um ou dois tempos. O céu tem boa memória.
Ele sorri tanto que o dia fica mais sereno quando você recebe o que ele te oferece.

O céu se alimenta de gratidão, de compaixão, de serenidade, do amor. Ah, o amor. O maior combustível da engrenagem do céu. É mágica pura!

O céu brilha para todos o tempo todo. Seja com os raios do sol ou com as estrelas tão distantes.

Você já tinha percebido isso?

Comentários