22 de maio, 2017 | Autor(a): Guilherme Aroeira

Minas recebe especialistas do Brasil e exterior durante Fórum Políticas Culturais em Debate

De 24 e 27 de maio Minas Gerais sedia o Fórum Políticas Culturais em Debate. É a primeira vez que o evento acontece fora da Europa. Realizado pelo Governo de Minas Gerais, por meio da Secretaria de Cultura; o Sesc em Minas; o Institut Français e a Embaixada da França no Brasil, o Fórum acontece nos espaços do Circuito Liberdade, em Belo Horizonte.

Especialistas renomados do Brasil e da França estarão presentes, envolvidos em inúmeras mesas-redondas e grupos de trabalho. Ao final de quatro dias do evento, a criação de uma plataforma será anunciada, cuja meta é contribuir para a estruturação e continuidade das políticas culturais públicas e privadas no Brasil, bem como seus desafios e rumos na atualidade e nas próximas décadas. Toda a programação é gratuita e as vagas, limitadas, estão esgotadas. Haverá transmissão de todo o evento via internet. A programação completa pode ser consultada em www.forumpoliticasculturais.mg.gov.br

 

Fórum foi concebido como um espaço para o diálogo entre diversos profissionais da área da cultura, bem como de outras áreas do saber, para a construção de uma plataforma internacional colaborativa, com espaços de reflexão, de formação e propostas de consultoria a agentes culturais públicos e privados.

Trata-se de um momento de imersão. Ao longo de quatro dias, será proposto um amplo diálogo com atores de vários setores sobre o papel e conteúdo dessa plataforma, questões de governança e do seu funcionamento. No período da manhã, acontecem as Ágoras, mesas-redondas com a participação de experts nacionais e internacionais. Os temas das Ágoras são territorialização e descentralização; ferramentas de observação cultural; participação dos habitantes na vida artística e cultural; turismo, cultura e desenvolvimento; e economia cultural criativa.

 

Quem pode participar?

A proposta do Fórum é criar a plataforma de modo colaborativo. O evento reúne pessoas de referência no Brasil: artistas e agentes culturais, fundações, pesquisadores, políticos, secretários e dirigentes responsáveis pela cultura nas cidades, empresas públicas e privadas. Além disso, também estão convidados a participar membros da sociedade civil, criando um espaço para trocas e diálogos na forma de fóruns participativos abertos.

Comentários