Navbar
16 de fevereiro, 2017 | Autor(a): Pedro Leone

Lula vem aí

Pesquisas eleitorais já desenham os candidatos mais fortes para a disputa do ano que vem

As eleições de 2018 já estão em andamento. Prova disso é a pesquisa de intenção de votos divulgada nesta semana, que traduz o sentimento das redes sociais no atual momento: lulo-petistas x bolsominions. Triste que os contornos da política vão se desenhando em mais uma simplificação pobre, que pode eliminar chances de candidatos moderados e com propostas fora do monopólio de décadas construído pelas coalizões parlamentares. Mas um fato é inevitável: a força do carisma do ex-presidente Lula será novamente o fiel da balança.

As recentes pesquisas mostram o petista liderando em todos os cenários. A candidatura dele, que antes da pesquisa já era uma forte possibilidade nos bastidores, ganha ares de oficial, ou no mínimo, incontornável. E ele talvez seja a única e última saída do PT.

A imagem do partido se esfacelou nos últimos 3 anos. Abraçado com o núcleo da corrupção brasileira, tomou uma rasteira e foi deixado para as cobras, beirando a irrelevância nas últimas eleições. Mas a imagem de Lula, que se afastou dos holofotes e deixou sua companheira Dilma dar a cara a tapa, continua relevante. Isso tem a ver com o fato que o “novo” projeto político apresentado não é nada além de mais do mesmo. Não atende as mazelas sociais e não traz esperanças reais para o mercado econômico. Pelo contrário, mantém a lógica da alimentação do buraco sem fundo dos conlúios e parcerias escusas. A mesma que nos trouxe até aqui.

Nesse cenário, a nostalgia vem à tona. Nostalgia do último período em que o país viu um crescimento econômico real e mudanças positivas na vida de milhões de brasileiros que ainda lutam para chegar em condições mínimas de sustento.

Mas Lula não é um salvador da pátria. O crescimento, potencializado por um momento macro-econômico favorável, teve seu custo. A tal coalizão, que uniu a base parlamentar em prol das medidas petistas, tinha como preço cargos, apoios e, como revelou operações como o mensalão e a Lava-Jato, pagamento de propina. Deu no que deu.

A volta de Lula pode ser um alento para muitos. Mas é, na prática, o Brasil andando em círculo, correndo atrás do próprio rabo.

Comentários