Navbar
27 de setembro, 2017 | Autor(a): Agência Minas

Lei de Incentivo à Cultura promove um novo olhar sobre as artes no interior de Minas

Quando as charmosas praças do interior de Minas Gerais se transformam em cinema ao ar livre ou as belas montanhas inspiram um dos mais relevantes festivais de música erudita da América Latina, e a terra de águas raras e curativas é povoada pelo evento literário mais amplo do interior do estado, o efeito é o mesmo, independentemente do lugar: a população se envolve e se encanta com a diversidade, a qualidade e as peculiaridades da arte e da cultura mineiras.

Cine Família na Praça reuniu milhares de pessoas em Araguari / Foto: Divulgação CFP

Ao promover a disseminação das manifestações culturais em todos os territórios, por meio da Lei de Incentivo à Cultura, o objetivo do Governo de Minas Gerais é assegurar a democratização e a territorialização da arte e da cultura.

Projetos contemplados em editais anteriores, como o Cine Família na Praça, o Festival Música nas Montanhas, e a Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas – Flipoços são exemplos dessa diversidade.

Em 2017 o incentivo é ainda maior, com a destinação recorde de 45% do montante total dos R$ 92,3 milhões para proponentes de fora da capital.

O resultado da iniciativa é o maior valor já registrado em toda a história da lei, com a distribuição de R$ 41,5 milhões à regionalização e interiorização dos projetos a serem avaliados.

Os projetos artísticos e culturais imprescindíveis à formação de identidade e à construção de cidadania e memória coletiva regional, são realizados com recursos da Lei de Incentivo à Cultura, coordenado pela Secretaria de Estado de Cultura. O prazo para inscrição das propostas vai até o próximo sábado (30/9).

A pré-inscrição de projetos deve ser feita no site da Secretaria de Estado de Cultura (goo.gl/6nriIP) ou via correios. As inscrições podem ser realizadas também presencialmente na Cidade Administrativa, enviadas via correios, com data de postagem até 30 de setembro, ou efetuadas no UAI Praça 7, em Belo Horizonte, até sexta-feira (29/9).

Cinema ao ar livre

“Foi uma experiência maravilhosa! Parece que a gente está num cinema de verdade. Eu amei e espero que tenha mais vezes”, comenta Ariane Lima, que assistiu ao filme ‘O Pequeno Príncipe’, ao ar livre na Praça João de Barros, em Tupaciguara, no projeto Cine Família na Praça, realizado com recursos da Lei de Incentivo à Cultura.

Cine Família na Praça leva adultos e crianças para o cinema ao livre no interior / Foto: Divulgação CFP

Ao todo, desde o início do projeto, em 2014, já foram realizadas 23 exibições cinematográficas em 15 diferentes cidades do interior mineiro, projetando, com conforto e segurança, filmes recentes e conteúdo de alta qualidade artística para aproximadamente 26 mil pessoas.

Na 4ª edição e última edição, o Cine Família reuniu cerca de 3 mil pessoas nas cidades de Tupaciguara e Monte Alegre de Minas.

De acordo com o coordenador do Cine Família na Praça, Marcelo Mamede, o objetivo de oferecer diversão de boa qualidade para todos os públicos de forma gratuita só foi possível de se concretizar com os recursos da Lei de Incentivo do Governo de Minas Gerais.

“Nosso sucesso é fruto da dedicação integral desde a pré-produção até programação e montagem da estrutura que recria um cinema verdadeiro em uma tela de 10 metros de comprimento por 4 metros de altura, projeção de película 35mm, som surround 5.1, cadeiras com braços iguais às de um cinema tradicional”, destaca Mamede.

Sem os recursos aprovados na lei, continua o coordenador, “quantas milhares de pessoas e famílias teriam condições de ir a um cinema ao livre, nestes tempos onde o orçamento e os espaços para a sétima arte estão restritos?”, ilustra.

De olho no próximo ano, para 2018 a expectativa dos organizadores é, se aprovado o projeto, captar recursos para realizar o Cine Família no mês de maio, em três ou quatro cidades. A data se deve ao período de pouca chuva, apesar de uma estrutura de proteção acompanhar a itinerância.

Música nas Montanhas

Outro exemplo é o Festival Música nas Montanhas, apoiado pelo Governo do Estado de Minas Gerais através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura. Está inserido no calendário oficial da Prefeitura Municipal de Poços de Caldas, dando acesso e fomentando a cultura da música erudita a mais de 30 mil pessoas, ao longo de 10 dias, em concertos ao ar livre nas montanhas, anualmente, no mês de janeiro.

Festival Música nas Montanhas realiza 32 concertos e 48 oficinas de música, em Poços de Caldas / Foto: Divulgação FMM

A magia das orquestras, a realização de oficinas, palestras e toda uma programação voltada para a música erudita e instrumental em diversos gêneros fazem parte do festival.

São 32 concertos, 48 oficinas para todos os instrumentos que integram orquestra sinfônica, banda, bem como canto, coral sinfônico, coral infantil e musicalização para a terceira idade.

De acordo com a diretora administrativa do Festival Música nas Montanhas, Raquel Mantovani, a cidade ganhou várias formações musicais permanentes na cidade de Poços de Caldas, e hoje são 43 oficinas de corais, banda sinfônica, e orquestra.

Os frutos, segundo ela, foram conquistados graças ao permanente investimento do Governo de Minas Gerais através da Lei de Incentivo, em ideias regionais do interior do estado.

“O Música nas Montanhas é um dos mais relevantes festivais de música erudita da América Latina. Reúne músicos de todo o Brasil e do exterior, lotando as salas de concerto, movimentando o panorama da estância mineira, graças aos recursos viabilizados e mantidos pelo governo”, destaca Raquel.

O evento também é voltado para estudantes e profissionais da área e para todos que gostam de boa música e integra todos os anos cerca de 600 alunos participantes das mais diversas regiões do país e do exterior, além de Minas Gerais, tais como Amazonas, Pernambuco, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Bolívia, Peru, Chile e França. Conta também com a participação de mais de 80 crianças de projetos sociais da cidade na Oficina Coral Infantil.

Festival Literário

Já o Festival Literário de Poços de Caldas – Flipoços tem se firmado como um dos mais importantes eventos de literatura do Brasil. Conceituado não só pelo grande conteúdo e diversidade de temas, também promove novos escritores, formando uma legião de simpatizantes das letras.

O Flipoços, também viabilizado com recursos da Lei de Incentivo, tem características próprias e busca no Brasil e exterior o que há de melhor na literatura e suas particularidades, oferecendo a todos os tipos de públicos, de forma gratuita, contato direto com os mais variados estilos de autores. Anualmente reúne entre 80 a 100 expositores, grandes editoras e grandes livrarias de todo o país.

Festival Literário Flipoços já se tornou uma tradição em Poços de Caldas / Foto: Divulgação Flipoços

De acordo com a curadora e idealizadora da Flipoços, Gisele Selmar, tem crescido muito o público da feira e hoje é um dos grandes eventos da região do Sul de Minas Gerais pelo fator aglutinador.

“O Festival Literário atinge cerca de 80 a 100 cidades do Sul de Minas e temos dado oportunidade para muitas crianças que não têm qualquer acesso à literatura”, conta. Neste ano de 2017, em sua 12ª edição, o evento reuniu mais de 600 mil pessoas em nove dias evento, um número recorde, e já é considerado uma referência nacional”, diz a curadora.

Em 2017, as temáticas envolveram a literatura de países de língua portuguesa, ressaltando escritores de Moçambique, quando recebeu uma comitiva com sete autores moçambicanos. O sucesso das atrações, ressalta Gisele, foi construído ao longo dos anos por meio dos mecanismos da Lei de Incentivo.

“Se hoje não tivéssemos os investimentos da lei seria quase que impossível realizar eventos literários no estado, pois a literatura ainda é uma esfera na cultura que necessita ser mais explorada para ampliar o número de leitores e apreciadores e fomentar a cultura e o prazer da literatura”, conclui Gisele.

 

Comentários