23 de janeiro, 2018 | Autor(a): Paulo Cesar de Oliveira

Hora é de juízo

São pelo menos dois Brasis. Um dos que querem trabalhar para recuperar a economia e seus negócios, e o outro que os que bordejam mares revoltos, à bordo da nau dos insensatos, onde quanto pior, melhor. Os sensatos têm obtidos bons resultados desde que, sabiamente,se descolaram da política e resolveram tocar adiante seus  investimentos, gerando riquezas e empregos, estes ainda de forma tímida, do que se aproveitam os insensatos para trombetearem a necessidade de mudanças políticas,com o retorno de velhas práticas. Até onde pretendem chegar os que não se preocupam com os resultados de suas ações, desde que elas os levem novamente, ou finalmente, ao Poder onde chegarão sem saber o que fazer. Há uma velha expressão popular que definem bem estes insensatos: são como cães que correm latindo atrás dos carros. Quando os carros param, ficam sem saber o que fazer. O Brasil não tem tempo a perder com isto. Precisa retomar com vigor seu crescimento econômico para atender seu presente e seu futuro. O país não pode parar nesta discussão estéril em torno do julgamento de Lula. Condenar ou absolver o ex presidente não é uma questão política. É uma questão técnica de direito. Lula nãoé acusado de crime político.É acusado de prática de crimes comuns e nisto se iguala a qualquer outro. O fato de ter presidido o país, de ter uma liderança sobre um grupo, não pode eximi-lo de culpa. Ser líder popular,ao contrário,só agrava os seus crimes. Dizer, como afirmou Temer, que melhor seria derrotá-lo para evitar sua vitimização, não passa de uma bobagem. Até porque, vitimização não há. Isto é coisa criada pela defesa do ex-presidente que passa a impressão de não ter argumentos a apresentar para absolvê-lo. Fica então criando lendas para assustar os julgadores. A ausência do povo nas manifestações a favr do ex- presidente mostra isto.  Presença mesmo só da militância paga dos chamados “movimentos sociais” e de quem se diz artistas e intelectuais.

Comentários