Navbar
27 de junho, 2016 | Autor(a): Graziella Gianinni

Falta do que fazer ou preguiça de sair do lugar?

 

a-brand-new-day

Alguns dias surpreendem a gente. Algumas atitudes também. Aqueles dias cinzentos que parecem pouco animados com o que pode acontecer são capaz de se transformarem em maravilhas da natureza, pelo simples fato de mudarem os ventos.

Uma tarde chata, monótona, cheia de rotinas é a oportunidade perfeita para uma reviravolta na sua vida. Se acalme, caro leitor, não me refiro às mudanças radicais de estilo de vida e sim na simplicidade do dia a dia mesmo. Naquelas coisas miúdas que deixam a gente assim, meio acabadinho… Não se entregue à elas.

Pense comigo: você está em casa, em um dia de folga qualquer, entregue àquele pijama confortável e a visitas constantes à geladeira, além de resmungar do tédio que sua vida se tornou. Enquanto isso, o mundo gira lá fora, as flores crescem e as pessoas aproveitam a vida. E você continua aí no mesmo lugar.

Em um dia qualquer, escolha fazer algo diferente. Coloque uma roupa confortável na mesma medida, acione um amigo na mesma onda de tédio e pé na estrada. Conheça o mundo, conheça sua cidade. Reveja lugares que quase não presta atenção diariamente. Faça um caminho diferente para o trabalho, vá de bike, de skate, á pé.

Busque uma vista privilegiada para um por do sol, um restaurante de comida de “lamber os beiços”, um cineminha daqueles “água com açúcar”, um choppinho gelado acompanhado daquele seu colega da 6ª série, uma volta na pracinha, um passeio de bicicleta sem rumo. Utilize o tédio ao seu favor e mude o conceito. Reveja seus conceitos de “falta do que fazer”.

Deixe preguiça e a morosidade da vida de lado e saia do lugar comum! Ative seu lado aventureiro, ainda que comedido. Mas pense bem que sua vida poderia ser mais divertida do que ela é agora, mais leve, mais alegre, mais alguma coisa boa.

Que fique claro que momentos de ócio e até mesmo de “rabugisse” podem ser muito importantes, mas quando passa a ser uma rotina, sinal amarelo já! A escolha é sua.

Será mesmo que você não tem o que fazer?

Comentários