Navbar
20 de agosto, 2015 | Autor(a): Márcia Queirós

Encontros onde só se fala inglês atraem quem quer praticar o idioma

Chad Fishwick: encontros para treinar a língua (Foto: Pedro Vilela/Agência i7)

Chad Fishwick: encontros para treinar a língua (Foto: Pedro Vilela/Agência i7)

Passar uma temporada em um país de língua inglesa é um dos melhores caminhos para aprender ou aperfeiçoar o idioma. Mas, com baixo custo financeiro, é possível frequentar lugares em Belo Horizonte onde, por algumas horas, as pessoas se comunicam somente em inglês, simulando ambiente onde o português passa bem longe. São encontros que estimulam a prática do idioma e a interação social.

Um deles acontece todas as terças- feiras, a partir das 19h30, no bar Jângal, no Cruzeiro. Lá brasileiros, ingleses, norte-americanos, australianos e pessoas de outras nacionalidades se reúnem para conhecer pessoas e trocar experiências em inglês. Batizado de EnglishMeeting BH, o grupo foi criado em 2013 por Diogo Versiani, que, na época, recém-chegado da Irlanda sentia necessidade de treinar o idioma.

Hoje, quem lidera os encontros, que reúnem mais de 30 pessoas, é o analista em comércio exterior Otávio Novaes. “Cursei inglês na escola, mas a convivência semanal com a língua é outra história. No ambiente informal as pessoas têm menos vergonha de soltar a língua.”, avalia Otávio. O norte-americano Mike Edwards é um dos frequentadores. Mike conheceu BH na Copa do Mundo, em 2014, gostou e decidiu voltar para a cidade, onde é professor de inglês. “Adoro as reuniões para conhecer pessoas e aprofundar na cultura local”, diz. Já a brasileira Elis Fagundes começou a frequentar as noites do Jângal há um ano para aprender o inglês. “Cursei apenas o nível básico. Com os encontros, deslanchei e me comunico bem com estrangeiros”, garante. A entrada no encontro é gratuita até as 20h30. A partir desse horário, é cobrada taxa de 5 reais. O que for consumido deve ser pago pelo participante.

Fazer com que as pessoas desenvolvam a fala do inglês em um ambiente mais descontraído também é o objetivo da Real Life English, festa que começou a ser realizada há 4 anos em BH pelo professor de inglês australiano Chad Fishwick. Hoje, ele e dois sócios realizam encontros também em outros estados e exterior. Em BH, o evento acontece periodicamente em bares – a última Real Life English Party foi em junho, no Rock Esporte Clube, na Savassi. Mas são realizados também piqueniques e festas que lembram datas do calendário internacional, como 4 de julho, Independência dos EUA.

“Nos encontros, realizamos ações como sorteios para interagir convidados e não deixar que fiquem em grupos fechados”, diz Chad. A entrada é R$ 10. Piqueniques e outros eventos são gratuitos
Integrante da Red Couch Surfing, rede social de hospitalidade, o analista Francisco Assis Silva organiza, às quintas-feiras, à noite, na feirinha da Savassi, na rua Tomé de Souza, encontros entre brasileiros e estrangeiros. “Coloco o banner da Red Couch Surfing e os amigos vão se juntando. Vêm estrangeiros de passagem na cidade pela rede . É uma ótima forma também de treinar outros idiomas”, diz.

Mestre em linguística aplicada ao ensino de língua estrangeira, o professor de inglês João Paulo Xavier vê com bons olhos esses encontros, mas alerta que não substituem o ensino em uma escola de inglês. “Ajudam as pessoas a aprender, praticar e perder a inibição, mas não são capazes de substituir a instrução na escola. Falar não é o suficiente. O letramento e o multiletramento são habilidades imprescindíveis”, diz.

Como participar

Não existe pré-requisito para participar dos grupos. Basta a vontade de aprender a língua. Acesse no Facebook:

EnglishMeeting BH
(facebook.com/groups/englishmeetingbh)

Real Life English
www.facebook.com/groups/reallifebh

Comentários