10 de novembro, 2017 | Autor(a): Lucas Rocha

A todo vapor

Restauração de igreja histórica avança progressivamente graças à mineração

Datada do início do século XVIII, a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, em Conceição do Mato Dentro, se prepara para viver seus dias de glória novamente. Por lá, acontece um intenso trabalho de restauração com o intuito de resgatar todo o projeto artístico e arquitetônico original de quando foi construída. Na última semana, uma solenidade reunindo políticos, representantes religiosos e empresários celebrou a finalização de uma importante fase da obra: a entrega da sacristia com todos os elementos recuperados, o altar do Senhor do Bonfim, pinturas parietais, cimalhas, esquadrias, arcar e o forro.

Em obras desde 2012, as obras finalmente ganharam ritmo graças à iniciativa da mineradora Anglo American que investiu cerca de R$ 8,5 milhões no projeto. “Pra gente é uma honra! Mais que uma obrigação, por ser fruto do Tac (Termo de ajuste de conduta), o projeto é uma honra que existiria mesmo se não fosse pelo termo. Resgata a alma e os valores do ser humano”, explica Ruben Fernandes, presidente da Anglo American Brasil.

Quem visita a igreja fica impressionado pelo trabalho quase que “cirúrgico” realizado pela empresa de restauração. Grande parte da dificuldade na execução desse projeto se deve às intervenções feitas anteriormente, desde o século XIX, ainda que com as melhores intenções, revelaram-se prejudiciais que modificaram e dificultaram a identificação dos desenhos originais. “A gente estar o tempo todo pesquisando, a minha sorte é que todos da minha equipe amam isso. Nas parietais da capela, por exemplo, quando descobrimos as cenas da vida de Jesus, uma estava muito perdida e ficamos muito em dúvida de uma parte que poderia ser o diabo, mas não tínhamos certeza até que encontramos a ilustração que foi usada em um livro de 1607”, relembra Dulce Senra, coordenadora técnica da obra de restauração.

Além da sacristia, outra importante conquista, a primeira do cronograma, foi o conserto do relógio bicentenário de fabricação inglesa que estava parado desde 2006. “É muito prazeroso ver os moradores chegarem para gente e falar que agora voltaram a se organizar diariamente pelas badaladas do relógio”, conta Alexandre Leal, coordenador de Projetos e Obras da Anglo American. A previsão para a finalização total da restauração é para o mês de dezembro de 2018.

Comentários